Pular para o conteúdo principal

TBR | Maratona Literária de Inverno 2015


Então, resolvi participar da Maratona organizada pelo Geek Freak e vi que estou acompanhada de mais de 5 mil participantes.


O objetivo maior dela é ler mais e desencalhar livros da estante. Como vocês sabem, minha meta é 13 livros por mês, para ler mais, fica um pouco difícil, mas acho que minha TBR ficou '"lível" em julho.


Nessa pilha tem itens para cumprir todos os desafios, seguindo os temas de cada semana.


Primeira semana. O tema é fantasia, distopia e/ou ficção científica.

Com Wild Cards vou começar uma série e é um livro com mais de 400 páginas. Jogador nº 1 é emprestado da mãe, então conta como livro escolhido por outra pessoa e também vai virar filme! E Léxico é porque estou curiosa mesmo


Segunda semana. Tema: thriller, suspense e/ou terror.

Livro com ilustrações e livro com capa azul: Steampunk Poe
Livro que ganhei: O Demonologista
Gênero que menos li: Rosto de Caveira, os filhos da noite e outros contos. Que conta tanto como "contos" como "terror", que li pouco no ano passado.

Como extra: A aventura de um cliente ilustre


Terceira semana. Tema: YA Contemporâneo, romance e/ou drama

Fazendo meu filme
Todo Dia
Apenas um Ano
Proibido


Quarta semana. Tema: Livros Nacionais.

A Ferro e Fogo
Sargento Getúlio
A Louca da Casa
Matinta, o bruxo

Quando este post for ao ar espero já estar lendo Wild Cards, O Começo de Tudo. Bora ler!
Siga o blog!



Comentários

  1. Aeeeee!!!! Deixa eu te ajudar e já fazer a ordem que você tem que ler:

    1. Jogador N° 1
    2 Todo Dia
    3. Fazendo Meu Filme!

    ahahahahah #afolgada

    Tô ensaiando demais para pedir Todo Dia no skoob, talvez com a sua resenha, eu desencalhe! hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…