Pular para o conteúdo principal

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.



Eu simplesmente amei a proposta desse livro. Vocês já devem saber que adoro a Jane Austen e adoro as releituras contemporâneas da autora, como Austenlândia. Esse livro também é uma releitura, dessa vez sobre a vida da própria Jane Austen contada da perspectiva de sua melhor amiga Jenny.

O diário de Jenny começa em 1791. Jenny e Jane estão numa daquelas escolas de moças, próprias da época, para aprenderem a se portar e terem uma formação. Só que essa escola é horrível, sem condições de habitação, sem amor e sem comida decente. Jenny adoece e ninguém cuida dela, então a Jane resolve tomar a responsabilidade em mãos e envia uma carta para os pais de sua amiga. Detalhe: ela foge do colégio no meio da noite para tentar pegar a última carga e acaba encontrando o Capitão Thomas Williams no caminho.

Ambas acabam indo ficar com os pais de Jenny. O pai de Jenny é professor, então, eles acolhem os alunos na sua própria casa, além disso, ela tem vários irmãos. Então, Jane começa a escrever histórias sobre todos os irmãos junto com desenhos para representá-los (a edição os traz). E as coisas se desenrolam por aí.

A autora conta que se inspirou na vida real da Jane Austen, porém que tomou várias liberdades artísticas escrevendo o livro. Eu adorei, me apaixonei e devorei o livro! O encontrei na livraria, já estava de saída e a capa me chamou a atenção, super feminina e lindinha.

Além de dialogar com as obras da própria Jane Austen, também encontramos referências a outros romances da época, como é comum nesse tipo de livro, por exemplo a Jane Eyre. O livro é leve e divertido, por várias vezes vemos a Jane criando suas histórias entre uma aventura e outra com a amiga.

Claro que recomendaria a leitura mais pelo seu valor de entretenimento do que valor histórico sobre a vida da Jane Austen. Não sei até que ponto o que foi contado realmente aconteceu ou não, mas foi divertido imaginar como teria sido.

Esse livro tem uma continuação em inglês, porém não encontrei a tradução, nem uma possível data de lançamento para ela. Se alguém souber de alguma coisa, me avise!

E você, já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog pelo Google Friend Connect.
@alpargatas13


Comentários

  1. Eu li o livro. Encontrei-o na biblioteca da escola e tinha pouquíssimo tempo para ler. Achei que não iria dar tempo, mas o livro é tão interessante que consegui ler em 3 dias (rs). Eu recomendo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Post-it | O Monge Negro + Margot

Aproveitei as férias e li mais dois volumes da coleção Novelas Imortais, publicadas pela editora Rocco. Sempre são pequenos textos de autores consagrados, de leitura rápida e até o momento gostei de todas que li.
O Monge Negro, do Tchekhov é uma novela sobre loucura ou sobrenatural, acredito que dependa da leitura que se faça. Por recomendação médica, o protagonista vai passar uma temporada no campo junto de um grande amigo e sua filha.
Num passeio até um lago próximo, ele se depara com o Monge Negro e essa figura acaba aparecendo cada vez mais. Convencido de que enlouquece, tenta de todas as maneiras superar esse mal, porém, como consequência perde a sua grande genialidade, a característica que o distinguia dos demais.
Gostei muito da novela, certeza que vale a leitura. Não só por ser divertida, mas também para refletir sobre o que nos torna diferentes e o ponto que separa a sanidade da loucura. Ou até mesmo, é tão ruim ser diferente/louco?
✬✬✬
A segunda novela chama-se Margot escrita …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.