Pular para o conteúdo principal

Resenha | Precisamos falar sobre o Kevin - Lionel Shriver

Editora: Intrínseca
Páginas: 464
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2003 com o título de We Need to Talk About Kevin

Lionel Shriver realiza uma espécie de genealogia do assassínio ao criar na ficção uma chacina similar a tantas provocadas por jovens em escolas americanas. Aos 15 anos, o personagem Kevin mata 11 pessoas, entre colegas no colégio e familiares. Enquanto ele cumpre pena, a mãe Eva amarga a monstruosidade do filho. Entre culpa e solidão, ela apenas sobrevive. A vida normal se esvai no escândalo, no pagamento dos advogados, nos olhares sociais tortos.
Transposto o primeiro estágio da perplexidade, um ano e oito meses depois, ela dá início a uma correspondência com o marido, único interlocutor capaz de entender a tragédia, apesar de ausente. Cada carta é uma ode e uma desconstrução do amor. Não sobra uma só emoção inaudita no relato da mulher de ascendência armênia, até então uma bem-sucedida autora de guias de viagem.
Cada interstício do histórico familiar é flagrado: o casal se apaixona; ele quer filhos, ela não. Kevin é um menino entediado e cruel empenhado em aterrorizar babás e vizinhos. Eva tenta cumprir mecanicamente os ritos maternos, até que nasce uma filha realmente querida. A essa altura, as relações familiares já estão viciadas. Contudo, é à mãe que resta a tarefa de visitar o "sociopata inatingível" que ela gerou, numa casa de correção para menores. Orgulhoso da fama de bandido notório, ele não a recebe bem de início, mas ela insiste nos encontros quinzenais. Por meio de Eva, Lionel Shriver quebra o silêncio que costuma se impor após esse tipo de drama e expõe o indizível sobre as frágeis nuances das relações entre pais e filhos num romance irretocável.


Esse livro me trouxe sensações conflitantes. É um romance escrito em cartas, de Eva para Franklin, da mãe para o pai do Kevin. 

O livro começa com um prólogo que nos conta que o Kevin matou 11 pessoas no colégio, mas depois disso, ela volta sua história desde antes de o Kevin nascer. Desde a decisão de ter filhos até o assassinato em massa praticado pelo filho.

Não consigo apontar nenhum personagem desse livro como um que eu tenha gostado. São todos detestáveis, desde o Kevin (por motivos óbvios), até sua mãe, seu pai e sua irmãzinha. A mãe desde o início já rolou uma antipatia por que ela nunca quis ser mãe, sua descrição do parto é horrível e tem alguma coisa na maneira com que ela escreve que você até acha que é culpa dela o filho ser psicopata. É claro que depois ela cresceu em mim e pude entender melhor a personagem, como é previsível, mas de início, ela foi horrível.

O pai é um bundão - desculpa, mas não tem palavra que melhor o descreva. Absolutamente tapado das coisas que o cercam e um cretino com Eva, eu não sei como essa mulher se apaixonou por ele. Os dois são completamente diferentes. E a filha menor, Célia, teoricamente ela é a melhor de todos, mas ela é extremamente submissa e sem personalidade. Não é que a autora não tenha utilizado a personagem, é que ela foi construída para ser dessa maneira, sem sal, apática.

Claro que o grande triunfo do livro são seus personagens junto com a temática da sociopatia juvenil. Acredito que é quase impossível dar um spoiler desse livro. Nós já começamos sabendo que o Kevin matou 11 pessoas e que eles perderam tudo. Tirando as últimas páginas do livro, que confesso não estar esperando e que concluiram o livro de uma maneira perfeita, a história que é contada nos livros fica por conta do desenvolvimento dos personagens.

Ele me despertou sentimentos de nojo, asco, tristeza, medo, mas também entendimento e compaixão. O livro não é apelativo, ele não foi escrito naquela tentativa óbvia de te fazer sentir - como trilha sonora de programa de televisão domingueiro. A personagem narradora não sente pena de si mesma nem quer que nós sintamos. 

É um livro excelente. Já foi para a fila de releituras e de recomendações. Prepare-se para uma jornada emocional e inicie essa leitura. Recomendadíssimo!

E você? Já leu? Pretende ler? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Estamos numa época de ler os mesmos livros na mesma época, Rafa!! Tô adorando isso, pois adoro suas resenhas e opiniões!!

    Comecei a ler esse livro no celular como ~ segunda leitura ~ quando não consigo ler o livro físico no metrô, mas minha amiga falou que ele é bem pesado e tals então parei, vou terminar o que estou lendo agora e vou pegar só ele para ler, até para me envolver mais! Estou bem no comecinho!

    bjokas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own, Dani, digo o mesmo pra vc. Estamos sintonizadas nas leituras mesmo! haha
      Espero que vc goste tanto qto eu! s2

      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.