Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #6 | A Máquina do Tempo - H. G. Wells

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1895 com o título de The Time Machine

A Máquina do Tempo: a mais espantosa das invenções, capaz de levar seu criador a uma viagem surpreendente através de milhares de anos de transformações sobre a Terra. Novos seres ocupando a superfície e as entranhas do planeta, vivendo numa incrível civilização do futuro, onde a luta pela vida é implacável. O final dos tempos e a agonia do sistema solar com o colapso de nossa estrela, prestes a explodir.Uma história de aventura e emoções inimagináveis, esta obra também é uma reflexão sobre os valores de nossa sociedade e sobre o mundo que construímos hoje.



 Pioneiro nas narrativas de viagem no tempo, inovador no conceito de máquina capaz de viajar pelo tempo. Wells traz uma história simples, contada de forma simples, com implicações não tão simples assim e um divertido tom de aventura.

O Viajante no Tempo tem uma teoria, de que o tempo é uma quarta dimensão do espaço. Com isso, experimenta em dispositivos capazes de transpor essa barreira. E basicamente é isso de "físico" que tem o livro. Essa parte introdutória é bem rasa e sem maiores explicações sobre como é possível que essa máquina funciona ou como seriam suas consequências.

De resto, o livro é uma história de aventura bastante divertida. O Viajante no Tempo consegue criar a máquina do tempo e viaja para o ano de 802.701. A espécie humana nesse tempo tão distante se dividiu em duas, até onde o Viajante consegue perceber de início; uma "fraca" com roupas coloridas, sem nenhum tipo de trabalho, vivendo em alojamentos coletivos, ele chama essa vivência de comunismo num primeiro momento; e outra que vive no subsolo, aparentemente, produzindo os insumos para a "de cima" poder viver tranquila e no ócio.

Essas são as primeiras impressões do Viajante, logo descobre que está errado e passa a viver outras aventuras neste futuro tão tão distante. Como bom cientista, ele tenta interpretar aquele mundo com seus olhos de anos 1800 e tenta descobrir através do que vê como o mundo pode ter se tornado naquilo.

Se o leitor tiver paciência e interesse, acredito ser possível perceber uma crítica política e social, assim como repensar teorias como a darwiniana. E isso tudo, numa linguagem bastante simples e divertida.

A história é contada por um amigo do Viajante que ouviu seu relato e o colocou no papel. Então, é como se estivéssemos sentados na frente de uma lareira durante o chá das 5 ouvindo a aventura. Essa aventura chega inclusive até o fim do mundo, só para dar um gostinho.

É um clássico que merece ser lido, pois não é assustador. Inclusive, enquanto eu lia, pensei em como a história é simples e poderia ter dado azo a um livro muito mais gordinho, e qual não foi minha surpresa ao concluir a leitura com um apêndice escrito pelo autor falando a mesma coisa. Ele conta que quando foi publicado, o livro foi uma tentativa de ganhar dinheiro, sendo que era um jornalista que estava sem conseguir publicar, logo, foi um pouco "apressado".

Concluindo, uma boa leitura para quem gosta de aventuras, de ficção científica, de viagem no tempo e de clássicos. Simples e divertido.

E você? Já leu este ou algum outro livro do autor? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Eu já peguei esse livro na biblioteca da escola, mas não consegui termina-lo. O começo da leitura acabou não me conquistando já que eu não sabia onde o Viajante no Tempo estava. Se ele estivesse no nosso tempo atual e ele não correspondesse ao tempo em que estamos? Mas depois dessa resenha vou tentar lê-lo de novo, quero saber como ele acaba.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois da primeira parte, ele fica mais interessante, mas é um livro bem curtinho, quando a gente engrena, ele acaba hehe

      Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…