Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman

Editora: Intrínseca
Páginas: 208
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de The Ocean at the End of the Lane

Compre na Amazon: O oceano no fim do caminho

Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.
Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.


Sério, procrastinei para escrever essa resenha. Esse livro é muito bem falado, resenhado, amado. Foi escolhido como o vencedor do British National Book Award. Só que eu não consegui enxergar a excelência dele.

Não me entendam mal, eu gostei bastante da leitura. Porém, não voltei à infância, como foi dito, não vi um brilhantismo oculto nas entrelinhas. Achei uma história interessante, divertida, com toques de suspense e terror. 

Ele é contado dentro de um imaginário infantil. O protagonista do livro, ao voltar para sua cidade Natal para um velório, senta-se frente ao oceano de Lettie Hempstock e começa a relembrar de uma aventura da sua infância. Achei muito legal a maneira como foram descritas as situações, o monstro, no meu imaginário, tinha toques pitorescos, como um desenho infantil.

Outra coisa que gostei muito no livro foi a língua da criação. Tudo no mundo foi feito por meio dessas palavras, que podem ser usadas ainda hoje para recriar o mundo. O simbolismo disso é fantástico! Essa construção que a linguagem possibilita, embora não seja como no livro no mundo "real", acontece, sim, no nosso mundo. Creio que nós, leitores, saibamos bem disso. É por isso, na minha opinião, que os clássicos permanecem até hoje. Uma constante construção de significados e interpretações. Fascinante, não?

Um ponto que vale menção é o dinheiro. Os problemas que ele traz naquelas pessoas, irmãos brigando, casais brigando, vizinhos brigando. E além disso, a motivação do monstro com relação a isso, de estar dando o que as pessoas querem.

Mais um ponto positivo: as personagens femininas. O que posso falar? Quem leu, sabe. As mulheres movimentam o mundo criado pelo autor. Elas são fortes e tem as respostas. São elas que encaram os monstros dessa realidade.

Então, só falei coisas positivas até agora. Você pode estar se perguntando porque eu não considerei o livro excelente. A verdade é que esses elementos que eu citei separadamente, permaneceram separados na minha mente. Perdi o ponto de ligação, a fluidez do livro em algum ponto. Não entendi várias coisas, sério, terminei o livro me sentindo meio burra. Para mim, faltou aquele momento da leitura em que as coisas começam a fazer sentido, aquele click.

O final do livro também me deixou um pouco desgostosa. Ele concluiu, mas não concluiu. O que até poderia ser a intenção do autor, mas não me deixou satisfeita. As dúvidas permaneceram e eu me perguntei se tinha dormido em algum ponto do livro, para não ter captado o sentido de tudo.

Concluindo, eu gostei do livro, mas não o achei fantástico. Ele tem pontos muito legais, alguns trechos muito citáveis e incita algumas reflexões. Também tem um toque de nonsense e escapismo. Te desafio a ler e tirar as próprias conclusões!

Você já leu O Oceano no Fim do Caminho? O que achou do livro? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Eu morro de vontade de ler alguma obra do Neil, o pessoal fala tão bem dele que é impossível não ficar curiosa. A sua resenha é a mais desanimadora que já li, mas mesmo assim estou curiosa com relação ao livro.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, td certo?
      Olha, a minha opinião também foi a mais desanimadora que eu "li" sobre o livro hehe mas não significa que não tenha gostado. Gostei, só não amei como outras pessoas... quem sabe não foi pelo momento de leitura? Quem sabe mais pra frente eu dê outra chance e mude de opinião?
      Depois me conta o que achou do livro!

      Beijão

      Excluir
  2. A única coisa do Neil que já li foi um conto, chamado Pássaro do Sol, que achei totalmente sem sentido, até vir o final e ligar tudo... Pena que não aconteceu isso no livro =/ Mas foi legal ver que você soube separar as coisas que gostou e que não gostou... tenho dificuldade nisso!
    Ainda quero ler...

    Bjooo

    http://www.subexplicado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooi, Cah!
      Sabe, estou achando que talvez tenha lido na época errada esse livro. Quem sabe eu dê uma chance para releitura no futuro e mude, né?
      Ainda quero ler outros trabalhos do Neil Gaiman, como Deuses Americanos e quero ler os quadrinhos do Sandman também!

      Beijão

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.