Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #4 | Ensaios de Amor - Alain de Botton

Editora: L&PM
Páginas: 208
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1993 com o título de On Love.


O livro tem um enredo simples como toda boa história de amor. Primeiro, o encontro casual. Num vôo entre Paris e Londres, uma pessoa se senta ao lado do narrador. Havia uma grande chance de ser um chato de galocha. Mas foi Chloe, por quem ele se apaixona, em algum momento entre o controle de passaportes e a alfândega. Segue-se a sedução, o jantar, o vinho, uma noite de amor e um relacionamento. O tempo faz o estrago: rotina, aborrecimentos e mesquinharias.


Quem lembra do Projeto 1001? Continua na ativa e produzindo resultados. Esse livrinho pequeno em tamanho fez um marco gigantesco em significado na minha vida. Assim que eu terminei, foi para a lista de releituras. Uma história bastante simples, mas com insights tão humanos.

Na verdade, eu comprei esse pocket no fim de 2013 somente pela sinopse, antes mesmo de saber que estava inserido nos 1001 livros para ler antes de morrer. Eu adoro uma boa história de amor e era a promessa desse livro.

Ele cumpre suas promessas. É um ensaio, com toques de ficção. Meio nerd. Escrito em segunda pessoa. Com capítulos curtos, reflexões gigantescas. E quotes lindos *.*


O narrador, que ou é inominado ou eu me esqueci de anotar o nome (ops!), vai nos contar a história de seu relacionamento com Chloe. Num vôo Paris/NYC, eles se conhecem, começam a conversar e seguem conversando depois do pouso. Sempre que eu leio sobre um casal que se conhece de formas fofinhas, lembro do filme O Amor não Tira Férias, na cena em que Arthur explica para Íris como se dão esses encontros no cinema (adoro esse filme *.*). É o que acontece com esse casal, um meet cute digno das telonas e de uma explicação meio nerd sobre as probabilidades de terem se conhecido dessa forma.

E daí seguimos acompanhando o casal em todas as fases do relacionamento. Desde se apaixonar, primeiro beijo, primeira transa, primeira briga, ciúmes...

O diferencial desse livro e o que faz ele valer muito a pena para todos os apaixonados e não-apaixonados por aí é que junto com a história do casal, o autor vai refletindo bastante filosoficamente sobre os acontecimentos. É analítico de uma forma tão atrativa. Eu fui lendo e finalmente encontrando palavras capazes de descrever tudo aquilo que eu pensava e não tinha como expressar. Aquela sensação de estalo, de entendimento, me envolvi muito com a leitura. E tudo isso de uma forma muito prazerosa.

É um livro simples, porém não é singelo. A nerd dentro de mim pulsava de emoção a cada pensamento, a cada frase. Recomendado!

"Amantes podem matar sua própria história de amor apenas porque são incapazes de tolerar a incerteza, o puro risco, de que sua experiência de felicidade tenha dado certo."

Você já leu? Quer ler? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Rafa,

    Também sou fã desse filme (O Amor Não Tira Férias), adoro assistir essas coisas bobas.Gostei da sinopse, parece ser uma narrativa despretensiosa, né? A palavra "nerd" saltou um pouco pra mim, ahahah. Eu curto muito romances nesse estilo, um dos motivos pra eu ter começado a ler os livros do John Green.
    Parece ser bem interessante e uma leitura rápida. Curti (:

    Beijos,

    Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um queridinho meu! <3
      Leia com carinho hehe

      Excluir
  2. Oi, Rafa!

    Eu não conhecia esse livro. Tão bom quando um livro é marcante pra gente, né? Sempre que falam de uma história que mostra a vida, a realidade e os momentos de um casal eu lembro daquela trilogia de filmes: Antes do amanhecer, antes do por do sol e antes da meia noite. Você já viu? Se não viu, recomendo demais! <3 E caso assista me diga o que achou. Eu vi os 3 filmes não faz muito tempo e me apaixonei por eles. Não sei se a história dos filmes tem alguma semelhança com esse livro, provavelmente não muito, mas se você gosta de romance, acompanhar histórias de casais, acredito que vai gostar. É repleto de reflexões. Os diálogos são puro amor.

    Enfim, falei demais. :} rs.

    Beijos e boas leituras!
    Amanda,
    Lendo & Comentando
    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço, mas anotei a recomendação hehe

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Rafa, não conhecia esse livro, mas adorei a proposta.
    Parece daqueles livros fofos para ler quando se quer relaxar.

    Continue firme no projeto, queria ser disciplinada para isso.

    Beijos
    Fê - Leitora Incomum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, firme +- haha mas estou tentando!
      Obrigada pela visita! Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…