Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #3 | Ratos e Homens - John Steinbeck

Editora: L&PM
Páginas: 144
Estrelas: 
Skoob
Publicado originalmente em 1937 com o título de Of Mice and Men

George e Lennie são dois amigos bem diferentes entre si. George é baixo e franzino, porém astuto, e Lennie é grandalhão, uma verdadeira fortaleza humana, mas com a inteligência de uma criança. Só o que os une é a amizade e a posição de marginalizados pelo sistema, o fato de serem homens sem nada na vida, sequer família, que trabalham fazendo bicos em fazendas da Califórnia durante a recessão econômica americana da década de 30. Ganham pouco mais do que comida e moradia. No caminho, encontram outros sujeitos pobres e explorados, mas também situações que colocam em risco a sua miserável e humilde existência. Em Ratos e homens, Steinbeck levou à maestria sua capacidade de compor personagens tão cativantes quanto realistas e de, ao contar uma história específica, falar de sentimentos comuns a todos seres humanos, como a solidão e a ânsia por uma vida digna.

Compre na Amazon: Ratos e Homens

Esse livro retrata com maestria a pobreza, o sonho de uma vida melhor e os preconceitos humanos. É aquele clássico no sentido de ser real ao extremo, te fazer repensar algumas coisas, te confrontar com realidades diferentes. Se a vida tivesse um script, seria escrito nas linhas desse livro.

Dois trabalhadores temporários estão a caminho de uma fazenda para o próximo trabalho. George é o "alfa" dos dois já que Lennie mostra sinais de retardo mental. Eles estão juntos desde sempre e tentam cuidar um do outro como podem.

Ao chegar nessa fazenda, eles entram em contato com um negro, uma mulher promíscua e um patrão abusivo. O preconceito é bastante palpável no desenrolar do livro, mesmo que essa palavra nem seja mencionada. É um retrato da época em que o autor viveu despejado nas páginas de seus livros (ou assim me disseram, já que esse foi o meu primeiro). Preconceito racial, preconceito sexista, preconceito etário e preconceito com o trabalhador também.

Ele se estrutura com muitas descrições do cenário e dos outros trabalhadores nessa fazenda. Os diálogos são em linguagem coloquial, o que me dificultou um pouco a leitura, embora já tenha lido livros assim, não é o mais corriqueiro. A maneira com que o autor conta a situação já nos insere na hierarquia presente naquele lugar, quase instintivamente já sabemos aonde os personagens se situam.

George e Lennie tem um sonho, que é descrito de forma muito bonita (me deu vontade de ir morar com eles). Eles visionam uma fazenda própria, onde vão plantar e colher, vão criar animais e produzir ovos. Eles vão poder ditar seus horários e divertirem-se juntos. Lennie vai poder criar coelhos. Tudo vai ser lindo. É por isso que eles estão lá trabalhando. Eles tentam juntar dinheiro para comprar essa fazenda.

Mas nesse cenário, nem os homens, nem os ratos têm um final feliz. Nos mesmos moldes de "O Grande Gatsby", esse livro engrena na construção do final. Excelente final. Chocante final. Final bastante verossímel e consistente com a realidade que é mostrada ao longo do livro.

Tenho até receio de escrever isso, mas lá vai: esse livro vale a pena ser lido mais pelo seu lado político e social do que por valores de entretenimento. Não é aquela leitura light, bonitinha, pronta para horas de prazer. Esse livro te transporta para a realidade desses trabalhadores e a situação deles não é bonita.

Vale a menção: existe um programa que vai ao ar pela TV Justiça que objetiva relacionar grandes obras de literatura com o Direito. Se vc tiver curiosidade: Direito & Literatura: do Fato à Ficção. Nesse programa, a discussão é sobre esse livro. Só cuidado: tem spoilers!

E você? Já leu algum livro do John Steinbeck? Tem curiosidade? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Tinha feito um comentário lindo e gigante, mas fechei a página sem querer ='/
    Eu fiquei com muita vontade de ler o livro pela sua indicação. Adoro livros que trazem questionamentos políticos e são mais antigos. Tipo o 12 anos de escravidão que entrou para o meu coração. Vou anotar sua dica <3

    Beijo!
    http://pausaparaumcafe.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa... Paree ser ótimo!!! E bom ler livros que fazem refletir sobre a realidade.

    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    Parece ser realmente muito bom. Nunca li nada do gênero e quem sabe não começo por esse?

    Beijos,
    Marcela.
    ocantinholiterario.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…