Pular para o conteúdo principal

Resenha | A French Girl in New York - Anna Adams

The French Girl Series - livro 1
Publicação Independente
Páginas: 273
Estrelas
Skoob
Publicado originalmente em 2012.

Maude Laurent is a spirited 16 year-old orphan who grew up in a small, provincial town in the North of France with a passion for piano and a beautiful voice. One day in Paris, she is discovered by an American music producer who takes her to New York to live with him and his close-knit family while producing her first album, with help from teen pop star, Matt. Maude will dive into a new fascinating world discovering New York City, music, family, love and the truth about her past.


Já de início, no prólogo, a autora nos conta o final do livro. Seis meses depois de ir para Nova York, Maude Laurent está fazendo seu primeiro show. Ela é uma garota de 16 anos, vinda da França onde mora com seus pais adotivos.

Maude foi deixada aos cuidados desses "pais" que são medonhos. É quase como um reconto de Cinderela, ela é responsável por cuidar da casa e mora num quartinho cheio de ratos. Sofre constantemente maus tratos e nem ao menos sabe quem foram seus pais ou por quê a deixaram.

Porém ela nutre um sonho secreto. Desde que encontrou numa biblioteca uma sala de música, Maude vem se autoensinando a tocar piano e cantar. E quando sua turma vai fazer uma excursão para Paris, acaba sendo descoberta por um agente americano que a leva para Nova York para gravar seu primeiro CD.

Em NY, Maude finalmente encontra uma família acolhedora e conhece alguns rapazes, mais especificamente Thomas e Matt. Thomas faz aulas de canto com ela e sempre se mostrou muito desejoso de ajudá-la, enquanto Matt, desde o primeiro momento, a irritou.

A leitura desse livro para mim se dividiu em dois momentos. Quando comecei a ler no final do ano passado, me irritei muito com os personagens e com a história em si. A ida dela a NY é apressada, quase como um passe de mágica, bastante irreal. A irritação que ela tem com Matt é infundada e sai das proporções. Além dela ser uma personagem imatura, apesar de sofrer por 16 anos nas mãos dos "pais adotivos", ela não tem profundidade. Estava lendo um roteiro de filme, de tão gráfico pareceu que a autora desenhou a história (no mau sentido).

A cada frase que eu lia, eu pensava que esse livro tem um público muito abaixo da minha idade, foi realmente escrito para 12 anos ou abaixo disso, porém, em um segundo momento, quando o peguei para terminar no final de janeiro acabei gostando mais.

As partes em que ela fala de música são as melhores partes do livro. Ali, sim, parece que a autora fez uma pesquisa e conseguiu transmitir a paixão da Maude pelos instrumentos. Tanto na sua experiência mais clássica na França, quanto quando ela é apresentada por outros ritmos quando chega na casa dos Baldwin, a família que a acolhe nos EUA. Essa família também é um ponto positivo do livro, eles são muito engraçados e bondosos na medida com ela.

Eu só recomendaria a leitura para meninas mais novas. Uma audiência acima dos 12, 13 anos não teria muito o que aproveitar desse livro. Ou talvez se você gosta de uma história voltada para essa idade. Esse é um livro gratuito na loja da Amazon.

Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Eu achei a capa fofinha e apesar de nao ser pra minha idade, vou colocar na minha listinha (mais pra listona) pra praticar ingles e pq tem as partes de musica :)

    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, as partes de música valem muito a pena. Também, até a última vez que eu chequei ele estava de graça na Amazon!
      Beijos

      Excluir
  2. Rafa,

    Se tem uma coisa que me da agonia são personagens rasos. Eles não tem personalidade, não tem motivos reais para fazerem algo, simplesmente vão lá e fazem para que a história chegue no final que o autor deseja. Realmente gostei da sinopse, mas acho que, como você, eu provavelmente me irritaria um pouco com a história.

    Mas se uma hora eu conhecer uma menina de 12/13 anos posso indicar, né? hahahaha

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, você pôs em palavras o que eu venho pensando em alguns livros que li ultimamente. Eu gosto de realidade nos livros, mesmo nos de fantasia, e isso só se atinge criando a personalidade de cada um. Não basta contar uma história, ela tem que ser crível.

      E sim! Acho que uma menina mais jovem adoraria ler hahaha

      Beijos

      Excluir
  3. Que capa fofa, Rafa! Mas depois de ler a sua resenha, tô fugindo do livro... rs.
    Assim como o comentário acima, posso indicar né? hihihihi

    Beijo!
    Mi
    Inteiramente Diva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa foi o que chamou a minha atenção também hehe e pode! Quem sabe se eu tivesse lido essa história alguns bons anos atrás, teria gostado muito mais. Talvez eu tenha ficado uma velha ranzinza :x haha

      Beijos!

      Excluir
  4. Menina, eu li esse livro tb e faço das tuas palavras as minhas. Mas devo admitir que fiquei com vontadezinha de ler o segundo livro, hahaha. Me recuso pq sei que vou detestar, mas queria saber qual é o próximo drama que Maude vai criar agora que é famosa haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei com a mesma impressão! haha
      Queria umas respostas, porém, sei que vou me irritar com ele.

      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.